Governo amplia em 15 dias prazo para recolher ICMS

0
14

O governo do Estado anunciou nesta segunda-feira (26) que, atendendo ao pedido dos empresários, representados por líderes de diversas instituições de classe, aumentou para 15 dias o prazo de recolhimento do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) de produtos vindos de outros estados.

A decisão deve começar a valer até no máximo a partir de 10 de julho, mediante publicação do decreto no Diário Oficial do Estado. Atualmente, o recolhimento do ICMS é feito de forma imediata, ou seja, por meio da substituição tributária.

Benefício a micro empreendedores foi publicado no Diário Oficial no dia 16 deste mês Segundo estimativa da administração pública de MS, a medida deve beneficiar 15 mil empresas que não estão enquadradas no regime especial e 30 mil produtores rurais. “Acreditamos que assim terá mais competitividade, além de maior receita”, afirma o governador de MS, Reinaldo Azambuja, que recebeu a proposta das mãos de representantes do Sebrae/MS, AMAS, Amems, ASMAD, FCDL, Faems, Famasul, Fecomércio MS e Fiems.

O superintendente do Sebrae/MS, Claudio Mendonça, parabenizou Azambuja pela iniciativa. “Mais uma vez, mostra o comprometimento da gestão estadual em desburocratizar o caminho do empresário e gerar o desenvolvimento econômico que precisamos por meio dos pequenos negócios”. O dirigente ainda exemplificou: “A peça de uma colhedeira, por exemplo, estraga e o produtor precisa comprar outra. Ele agora pode ter tempo de terminar a colheita para pagar o imposto dessa peça. Então, todo mundo será beneficiado com essa agilidade”.

Para o presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae no estado e também da Fecomércio/MS, Edison Araújo, além de desafogar o fluxo de caixa das empresas, a medida beneficia o consumidor, já que o produto não ficará retido nas transportadoras para recolhimento do ICMS.

“O produto chega, é parado na barreira e só depois do pagamento é liberado. Acontece que ainda nem foi vendido, nem sabemos quando será comercializado, e já temos que pagar o ICMS”, explica Araújo.

A relação de produtos que estão na lista de substituição tributária é grande; e compreende, por exemplo, itens de autopeças, materiais de construção, bebidas alcoólicas (exceto cerveja), materiais de limpeza, produtos de perfumaria, plásticos, rações para animais domésticos, produtos de papelaria, entre outros.

Dourados Agora

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui