Brasil exporta café para 113 países nos sete primeiros meses de 2017

0
17

As exportações dos Cafés do Brasil, nos sete primeiros meses de 2017, foram realizadas para 113 países, totalizando 16,787 milhões de sacas de 60kg e receita cambial de US$ 2,891 bilhões, o que representa aumento no faturamento de 7,2% em comparação com o mesmo período de 2016.

O preço médio por saca exportada foi de US$ 172,25, o que também significou incremento, em relação ao mesmo período citado, de 16,5%.

No entanto, o volume exportado de café de janeiro a julho de 2017 foi 8% inferior ao mesmo período de 2016, que contabilizou 18,255 milhões de sacas.

Especificamente no mês de julho de 2017, as exportações brasileiras de café totalizaram 1,751 milhões de sacas e geraram receita cambial de US$ 283,4 milhões, com preço médio de US$ 161,78 por saca, cujo valor representa aumento de 4,1% em comparação com o mesmo período do ano passado, que foi de US$ 155,46 por saca.

Do volume exportado em julho, 1,498 milhões de sacas de 60kg foram de café arábica e 16,346 mil de café robusta.

Esses destaques e análises do desempenho das exportações do café brasileiro constam do Relatório mensal julho de 2017, do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil – Cecafé, disponível na íntegra no Observatório do Café do Consórcio Pesquisa Café, coordenado pela Embrapa Café.

Com base no Relatório do Cecafé, o ranking dos cinco principais destinos das exportações do Cafés do Brasil, de janeiro a julho deste ano de 2017, é o seguinte: Estados Unidos, na liderança, com um volume de 3,361 milhões de sacas, que correspondem a 20% do café exportado; Alemanha, em segundo lugar, com 2,930 milhões de sacas (17,5%); Itália, em terceiro, com 1,511 (9%); Japão, quarto, com 1,198 (7,1%); e Bélgica com 1,006 milhões de sacas (6%).

Assim, nesse período, conforme mencionado, o Brasil exportou um volume de 16,787 milhões de sacas para 113 países.

Ressaltando o comparativo descrito no Relatório do Cecafé com relação à evolução do volume de sacas de 60kg exportadas e receita cambial obtida em dólar norte-americano, no período de 2012 a 2016, verifica-se que: no ano de 2012 foram exportadas 28,550 milhões de sacas de café e receita cambial de US$ 6,4 bilhões; em 2013 – 31,661 milhões de sacas e receita de US$ 5,22 bilhões; 2014 – 36,427 milhões de sacas e receita de US$ 6,6 bilhões; 2015 – 37,019 milhões de sacas e US$ 6,15 bilhões; e, em 2016, foram obtidos US$ 5,45 bilhões com a exportação de 34,268 milhões de sacas.

Essas oscilações verificadas, tanto nos totais dos volumes de café exportados como na receita cambial, podem ser atribuídas à variação da safra, cotação do café, câmbio, entre outros fatores que influenciam o mercado.

Outro dado interessante em destaque no Relatório mensal julho de 2017, do Cecafé, é sobre a participação percentual por qualidade nas exportações brasileiras de café.

Neste caso, somente no período de janeiro a julho de 2017, o café arábica liderou as vendas ao exterior com 88,0% do volume, solúvel com 11,1%, robusta com 0,8% e torrado e moído com 0,1%.

O Relatório também destaca que as exportações dos cafés diferenciados, os quais têm qualidade superior ou algum tipo de certificado de práticas sustentáveis, e incluem os cafés especiais, totalizaram 2,560 milhões de sacas nesse mesmo período (janeiro/julho) e geraram receita cambial de US$ 520,798 milhões, com o preço médio de US$ 203,36 por saca, que representa um acréscimo de 24,5% em relação aos cafés commodities (naturais/médios).

Os Estados Unidos também seguem como o país que mais importou cafés diferenciados do Brasil, com 483,191 mil sacas, volume que representa 19% dos cafés com essas características.

Esta edição do Relatório mensal do Cecafé, assim como as anteriores, que também estão disponíveis na íntegra no Observatório do Café, traz ainda vários dados, informações e análises sobre as exportações brasileiras de café, tais como a participação percentual por qualidade nas exportações, exportações de cafés diferenciados, exportações de café por continente, grupo e bloco econômico, principais destinos e portos de embarque das exportações, perfil e perspectivas do consumo mundial de café, entre várias outras análises que merecem ser conferidas pelos diversos segmentos do setor cafeeiro.

Dourados Agora

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui