Duas pessoas são condenadas em processo envolvendo filho de desembargadora de MS

0
6
Breno responde aos mesmos crimes em processo separado e ainda não foi julgado (Foto: Reprodução/TV Morena)

Namorada de Breno foi condenada a 7 anos de prisão e funcionário do empresário, a 8 anos. Defesa vai pedir para que os dois respondam em liberdade. Processo foi desmembrado e Breno ainda vai ser julgado.

A namorada e o funcionário do filho da desembargadora e presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TRE-MS), Tânia Garcia Lopes, foram condenados por tráfico de drogas e porte de munição. Já Breno Fernando Solon Borges será julgado separadamente, pois o processo foi desmembrado após a defesa pedir perícia de insanidade mental.

(Correção: ao ser publicada, esta reportagem errou ao informar que Breno Fernando Solon Borges havia se livrado de condenação. Na verdade, com o desmembramento do processo, ele irá responder pelos mesmos crimes posteriormente. A informação foi corrigida às 17h12.)

Eles foram pegos em flagrante com 129 quilos de maconha e 270 munições, no dia 8 de abril deste ano, em Três Lagoas, a 313 quilômetros de Campo Grande. O caso deu origem ao processo sobre tráfico de drogas, porte de munição e associação criminosa.

Breno, o filho da desembargadora, também vai responder pelos mesmos crimes, além de porte ilegal de arma, de acordo com o advogado Paulo Belarmino de Paula Júnior, que defende os condenados, Cleiton Jean Sanches Chaves e Isabela Lima Vilalva.

G1 ainda tenta contato com a defesa de Breno.

Condenados

Ainda segundo Belarmino, a magistrada entendeu que não ocorreu associação criminosa “porque não houve intuito duradouro”. Cleiton foi condenado a 8 anos e dois meses e Isabela a 7 anos, 5 meses e 5 dias.

O advogado disse também que na próxima segunda-feira (18) dará entrada no pedido de habeas corpus para que recorram em liberdade.

“A pena dela se encaixa em regime semiaberto, mas a juíza decidiu direto no fechado”, disse Belarmino. No dia do flagrante Isabela tinha sido liberada, mas depois foi decretada a prisão preventiva.

Caso Breno

O processo de Breno chegou a ser suspenso para aguardar a realização dos laudos. Conforme a movimentação processual, a avaliação psiquiátrica de Breno ficou pronta e a curadora dele, a própria mãe, se manifestou. A próxima fase é a conclusão da juíza sobre a opinião médica.

Durante esse intervalo, o empresário chegou a ficar internado em uma clínica em Atibaia, interior de São Paulo, por quatro meses. Por causa de um processo da Polícia Federal, resultado da Operação Cérberus, o filho da desembargadora voltou ao presídio na região leste do estado.

A substituição da prisão pela internação ocasionou a abertura de investigação no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que vai apurar as circunstâncias da concessão do habeas corpus ao Breno.

G1 MS

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui